20 de outubro de 2008

Lujin


"Lujin não teve dificuldade em aprender diversos truques de cartas que passava horas mostrando a si mesmo diante do espelho. Extraiu disso um misterioso prazer, a vaga promessa de delícias ainda insondáveis, da forma precisa e engenhosa como um truque era realizado, mas ainda assim lhe faltava algo, era incapaz de descobrir aquele segredo que o mágico sem dúvida dominava para poder arrancar um rublo do ar ou retirar o sete de paus, tacitamente escolhido pela platéia, do ouvido de um Rosen constrangido. O segredo que o atraía era feito de simplicidade, de uma simplicidade harmoniosa, passível de causar uma impressão muito mais poderosa do que a mais intrincada mágica."

A defesa Lujin, de Vladimir Nabokov
(tradução de Jorio Dauster)

Nenhum comentário: