28 de fevereiro de 2010

p. 58

Agon [competição] e arete [a busca da excelência] convergem no impulso esportivo de ir além, de ir aonde nenhum outro corpo foi antes. Um impulso tão agressivo como esse não poupa os sentimentos do potencial perdedor, seja fisica ou emocionalmente. No esporte, "espírito esportivo" jamais pode significar dar uma vantagem ao adversário. Trata-se, sim, da capacidade e da generosidade de se solidarizar com a dor e com a tragédia da pessoa derrotada numa luta justa. É o respeito que Aquiles demonstrou pelo Heitor derrotado, não a ordem de Jesus para que se ofereça a outra face.

Elogio da beleza atlética, de Hans Ulrich Gumbrecht.

Nenhum comentário: